2017-12-24

Binoche (ao Olimpo) por quem não gosta (isto é: não gostava)

Faz-me muita confusão o discurso das mulheres quando sentem que a juventude lhes começa a fugir. Está bem, nós, homens, somos, em regra, umas bestas, e esse nosso reducionismo leva-as a justificarem-se antes sequer de as vermos, aliás uma técnica que se usa e de que se abusa no humor.
Ora, eu não gostava da actriz francesa Juliette Binoche antes de ela própria, agora e apenas agora, aos 53 anos, me ter tomado pelos cueiros no último filme estreado entre nós, "Un beau soleil intérieur", dePhilippe Garrel, que, de resto, é daqueles filmes que grita literatura por todos os lados.
Literatura enxuta, personagens densas, escrita simples e certeira, como a dos grandes.
Mas, a bem dizer, há muitos filmes com argumentos de qualidade. Não há é muitos filmes com cinquentonas que arrebatam a cena. As cenas todas. Principalmente actrizes de quem o escriba nunca gostara antes, por causa dos tiques e de alguma cedência (na qualidade) ao El Dorado americano, como aliás a outra, de que o escriba sempre gostou, Marion Cotillard.
Talvez Binoche tenha tido sorte com todas as artes internas do filme, do guarda-roupa à caracterização e à fotografia, mas a perfeição de Juliette Binoche está no registo escolhido em qualquer aporte emocional. Não desejarmos uma mulher destas pode ser a tese do filme, mas ainda me perturba mais que nós, homens e mulheres de bom gosto, não desejemos uma mulher assim.
Para mim é o papel da vida de Binoche e um dos papéis desta década. Não queria exagerar, mas sinto que vai ser uma das interpretações notáveis da história do cinema. Pena que, dá-me cá a impressão, vá ser ignorada no óscares, mas nunca se sabe. Ao menos que não o seja nos Césares. A Binoche de 53 anos mete a de 20 num bolso. Aliás, nos bolsos todos. E não é figura de estilo. É mesmo assim. Prova a todas as mulheres que o melhor está para vir, sempre.
Também gostei muito do filme, mas podia ser o pior filme do mundo. Com esta Binoche, podemos sentar-nos e desfrutar. E eu, que não gostava dela, se fosse mulher queria ser como ela. Tenho dito, pois. E olhem, boa noite de natal a todos! Obrigado pela fidelidade ao blogue!

PG-M 2017

Sem comentários: