2015-06-29

a roda dos cães expostos


chamo cão ao vizinho, chamo cão ao badalhoco que dorme na nossa entrada todos os dias excepto naqueles em que tenho insónias e venho fumar à porta e lhe prego um pontapé e ele só volta três noites depois, chamo cão ao funcionário azul da décima quarta repartição, chamo cadela à sorte, chamo cães aos voluntários da associação de protecção dos animais que se entrincheiraram num barraco encostado à via rápida porque muitos animais deixam cães-de-férias nas bermas, chamo cão ao "serra" que trouxe por burla de beira de estrada depois de passar e dizer ao meu filho, que não se calava que queria um cão, estás a ver, estúpido?, ali queriam duzentos euros por um canito, aqui pedem vinte,
e a cara do miúdo, um rui da raça dos boxers anões que não deve muito à inteligência do pai,
estás a ouvir o teu pai? percebeste a lição de vida? ali duzentos, aqui vinte!!!!.
e a cara do miúdo já só retinha o brilho do "serra" de focinho negro e cara castanha a olhar para ele,
chamo cães aos tipos que ainda não conseguiram entender a nova forma de circulação das rotundas, mesmo que eu acelere todos os dias, de manhã à ida para o trabalho e à noite à vinda, para chegar perto deles e lhes buzinar no focinho,
chamo cadela à minha sogra e chamava cão ao meu sogro antes de ele quinar,
chamo cães aos ministros,
chamo cães aos deputados,
chamo cão ao meu filho e cadela à minha mulher quando há razões para isso, e há todos os dias,
ganhámos uma viagem em time-sharing mas era um problema para deixar o "serra", não achava correcto deixar o bicho sem comida, apesar da voz média do café ser de que tendo quintal os bichos desenrascam-se, afinal são animais e têm é de caçar, e a verdade é que eu tenho quintal mas não achava bem deixar o bicho sem comida, disse ao rui que íamos levar o "serra" de férias e ele todo contente, a verdade é que, como já adivinharam, o "serra" virou um rafeiro magro e feio e não cresceu, ladrava sem controlo sempre que eu não estava em casa, porque quando eu estava conhecia bem as minhas botas, então ensinei uma lição aos cães da associação e, mal meti na via rápida parei na berma junto ao barraco e atirei o "serra" para o mato, não sei porque é que a mulher criticou, eu fiz as coisas com princípios e não deixei o "serra" em qualquer lado, atirei-o para o mato junto ao barraco e gritei
- agora divirtam-se, cães!
e ri-me mas depois tive de me controlar porque o miúdo percebeu tudo e chorou até ao algarve, quer dizer, não até ao algarve, avisei-o na estação de serviço de salvaterra que se não se calasse apanhava, ele não se calou e em alcácer apanhou mesmo e ficou a choramingar mas isso já não me incomodava, chegámos à praia e enquanto eu discutia com a tipa do time sharing que parece que afinal não era de graça o puto já estava todo contente na poeira do estradão para a praia com o balde e a mãe, porque não tinha mais nada que fazer, a limpar-lhe o ranho e eu a gritar com a tipa, depois de chegar a acordo caminhámos os três quilómetros pelo estradão até à praia, foi um negócio do caraças,
o mal,
o mal é que a partir dessa noite comecei a ter pesadelos que todos os cães que o pessoal deixava nas bermas sabiam o que eu tinha feito e me cercavam a casa,
aquilo incomodou-me tanto que eu já não queria voltar, mas não havia mais dinheiro,
eu fui preso no inverno seguinte por causa desses pesadelos que não paravam e eu fiquei doido de dores de cabeça e falta de descanso e de umas falcatruas com as facturas da oficina, coisas que eu nunca percebi porque toda a gente fazia aquilo e não tive uma única visita da puta da minha mulher e do atrasado do meu filho,
a prisão não me fez bem e eu voltei à droga e ao álcool, a gaja ganhou-me a casa e o filho em tribunal mas fodeu-se que eu não tinha mais para onde ir e escorracei o cão do badalhoco da entrada, a minha própria entrada, caralho!, para dormir lá eu e ela aprender uma lição, vocês não vão acreditar mas os cabrões dos cães da associação que recolhiam bichos das bermas também davam de comer ao cão do vagabundo que lá estava e tiveram o desplante de me vir perguntar se eu queria comida, e eu levantei-me
eu sou o dono desta merda, seus fdps do c!!!!!
eles olharam para mim com medo, mas acontece, tenho de confessar, que eu nunca mais me consegui levantar da minha situação, nunca mais ninguém me deu emprego com cadastro, sabem que eu cheguei a ser preso outra vez por desrespeitar uma ordem de afastamento da minha própria casa, mas quando saí voltei à minha entrada mas como estava tão fraco e já não falava nem me dirigia a eles, a  minha mulher já não meteu outra acção e deixou-me em paz, os subsídios acabaram e o pessoal do café já não me queria lá que eu não me desenrascava a tomar banho em lado nenhum, confesso que os cães da associação me chegaram a deixar sacas com comida na minha porta que os cães verdadeiros me roubavam se eu não estivesse atento, mas quem nunca me ajudou foi a cadela da mulher e o atrasado do filho,
como se eu tivesse culpa,
como se eu tivesse culpa,
dá-se que os cães da associação sabiam de quem era o "serra" e o guardaram para o regresso do atrasado do rui, mas parece que o bicho morreu de desgosto, eu ia lá saber, claro que isso era inventado, mas o puto nunca mais me perdoou,
mas quando souberem onde estou agora mesmo,
quando souberem onde estou sem me conseguir mexer
vão perceber que o puto tem maus fígados, além de atrasado é mau como as cobras, porque já se passaram os anos daquela merda do "serra", e mesmo assim o tipo não esqueceu,
um dia em que eu já não tinha forças nem para abrir os olhos o gajo, sangue do meu sangue, puxou-me para o banco de trás do carro, eu pensava que ele me ia levar ao hospital porque já nem sentia as mãos, mas o cão do rui meteu para a via rápida já passava da uma da manhã e guiou toda a noite e deixou-me aqui no fim do mundo, abandonado como um cão,
eu só sei que é alcácer porque o atrasado do rui me disse, entre dentes, com uma raiva de cão, acho que até espumava de prazer, composto e controlado que até metia medo,
foi em alcácer que perdi a esperança, em alcácer a perderás tu
já não como nada há três noites e três dias e ninguém aparece
eu acho que o cão calculou esta merda ao milímetro
esta noite sonhei com o "serra" a lamber-me as feridas
grandessíssimo filho de


PG-M 2015

Sem comentários: