2015-02-07

meia-noite


ofereço-te a meia-noite
e os minutos que quiseres
uma saia rodada e
um ramo de mal
mequeres
se tu pelo menos as
coxas

ofereço-te a meia-noite
e as palavras que disseres
desveladas pelo mal

como as pétalas
nos dedos
se tu pelo menos a
boca

ofereço-te a meia-noite
e as mãos sob a saia
rodada e a boca
sobre a boca
e as flores
sobre o tempo
e o tempo
framboesa
meia laranja
infinita
como a pele
como toda a cobiça
como a sede
e mel
do bom

como se
como tu
como te
come me
como meia

noite

ofereço-te a surdez e o gemido a mudez e o murmúrio
o odor e a temperatura
o olhar e a mesura
e agora,
no fim,

o mesmo braço
o mesmo palmo
a mesma noite
um dia

mais


PG-M 2015
fonte da foto



Sem comentários: