2013-08-10

Não perdoarei, Urbano, cada dia sem ti

Não perdoarei, Urbano, cada dia sem ti
Do amor, da literatura, da coragem, da simplicidade, da serenidade com os pares, do abraço aos novos, da humildade, do acolhimento crítico. Não sei se havia um único assim além de ti. Se houve.
Sei que há todos aquém de ti.
Não é a morte, é o meu plano de vida.

Ao e do meu blogue, claro que trago, tarei sempre, o que tive do Urbano.


PG-M 2013

1 comentário:

helena frontini disse...

Ainda ontem li o romance póstumo 'Nenhuma vida'.