2013-08-27

A natureza do silêncio


"(...) E o barco sulcou o rio tentando o silêncio. Que é relativo, nunca absoluto. Silêncio é a suspensão dos ruídos comuns, mecânicos. Os galos a cantar de madrugada, os pássaros à conversa na copa de um pessegueiro, o vento, o próprio remo a separar as águas do rio, nada é adequado a quebrar o silêncio. No mundo das ideias o rumor suave das bocas durante os pensamentos também não. A dolência do barco, a paisagem definida dos socalcos verdes, o vinco dos montes, a liquidez da luz matinal a molhar as bochechas e a dourar os cabelos fez com que todos se calassem. (....)"

PG-M 2013

Sem comentários: