2013-06-23

O "improbiso" tripeiro num levantamento de escritores

Como se costuma dizer, a pedido de várias famílias, deixo-vos  "improviso" de 22 de Junho de 2013:
" Leio sempre o cão da Adélia quando bou arrumar carros prós pobeiros.
Leio o pintor do Afonso debaixo do laba-louças da casa dos meus pais em Fernão Magalhães.
Leio os pretos da Aida sempre que me atiro do tabuleiro de baixo pró Douro.
Leio como tu, Ana Luísa,
enquanto tento beijar a primeira namorada nas escadinhas da Bitória, durante o fogo de São João.
Leio a Morte no Estádio do Biegas na bancada norte do Estádio das Antas,
com muito cuidado para num tomar nada em lado nenhum, enquanto dou a mão ao meu pai, mesmo antes de ber o Pabão cair e eu a lebantar-me da bicicleta, caí binte bezes no pabilhão américo de sá enquanto o meu pai treinaba boleibol e eu sacaba cabalos sem rodinhas.
Leio a memória do Germano a pairar sobre a Ribeira, quando a minha mãe me manda buscar cruzetas para pendurar camisas e eu respondo sempre fuoooooogo!
Leio este poema foi escrito ontem do Barreto Guimarães, este poema foi escrito ontem no prado do repouso a apanhar a ponte do comboio, a ponte do comboio e o douro por uma nesga.
Leio os papas, "os" papas, de sarrabulho do Rocha na pensão que já num há na Mártires da Pátria em frente ao Lumiére
e sabem o que tinha a pensão?, tinha uma língua de bitela do carago.
Leio o Palácio de Cristal do Marmelo no Pabilhão Rosa Mota entre os pabões que me moem o juízo quando eu quero ir atrás dos patos antes de ber a bista prá ponte da Arrábida.
Leio as cores do bento do Miguel Miranda na Foz, a comer um croissant da Doce Mar no homem do leme c'uma manta.
Leio os anagramas do Zimmler ali numa mesa da Arcádia, onde eu declarei amor à minha mulher de uma forma muito estranha, ora bê lá se percebes o que está escrito aí, era o livro de introdução ao direito do batista machado a falar de hermenêutica e ela disse num entendo e eu disse também eu num entendo, e depois beio o empregado da Arcádia e eu disse quero um café e ele, aqui só servimos lanches, e eu, quero um café e um lanche então.
E lebo a fábrica do tempo da Sílbia para o concerto do Rui Beloso de 87 no Coliseu quando ele canta assim: quem bem e atrabessa o rio, junto à serra do Pilar, bê um belho casario, que se estende até ao mar.
Lebo o corte e costura do Paulo Ferreira ao meu alfaiate em Santa Catarina, que me fez um fato do carvalho de um pano do Ermenegildo para eu me casar que até o emplastro quando me biu na Madalena bestido disse "Fuôôôd......" e eu depois de ficar gordo e num caber no fato mudei a etiqueta do Ermenegildo para todos os casacos que lebo quando bou a Lisboa e digo assim, Bera, troca-me a etiqueta e ela troca.
Lebo o livro do Pedro Guilherme-Moreira, aquele muito jeitoso sobre o 11 de Setembro, aquele o libro,
num é o Pedro Guilherme-Moreira,
lebo o libro às escolas quando sou eu que bou falar às escolas porque eu sou o Pedro Guilherme-Moreira
e é por isso que lebo o libro que o pessoal de Baladares diz que é o amanhã do mundo, num é "a" manhã, é o amanhã, mas quando lebo o libro pra ler
sento-me no chão da Cimo de Bila que está sempre à sombra, porque eu nasci lá, na Cimo de Bila e o meu abô tinha logo abaixo, na Rua Chã que é pegada à do Loureiro dos rádios de pilhas, o meu abô tinha a Casa Caius e bendia tabaco e harmónicas, daba-me uma harmónica sempre que eu ia lá e me estendia no balcão de madeira que era maior, só o balcão,
do que uma loja média de shopping hoje em dia, quando eu ia de boleia com o meu abô na 4L castanha saía em frente à polícia e binha pelo túnel e pela biela e é por isso que quando eu como adbogado fiz o contrato de trespasse da Casa Caius aos chineses só num chorei porque num calhou e o meu abô me dizia bais ser escritor pega lá dois contos e bai comprar chocolates,
estás a ber a feira do libro ali em baixo?, um dia bais-te sentar numa mesa para assinar libros e ninguém bem, ninguém bem, mas isso é que é ser escritor, filho, trabalha e fica à espera, trabalha e fica à espera, trabalha e fica à espera,
o meu abô num sabia que um dia os senhores espertos nos iam tirar a feira, mas num tiram mais nada, num senhor, e o meu abô até ia à Lamiré lá em cima na Rua da Alegria dos Azeitonas entregar instrumentos e dizia sempre para o senhor só pagar quando pudesse, assim o meu abô, que era honrado e tinhas contas à moda do Porto, ia ber este deserto nos Aliados e habia de dizer assim: podem tirar as barracas dos libros, mas num nos hão-de tirar a alma e tu bai lá, filho, tu senta-te na mesma com os teus escritores e fala de quando binhas para cá pequenino e te punhas naqueles prepósitos encostado às paredes de granito das casas da biela do anjo, de pé e de bruços encostabas-te às paredes de granito e lebantabas os braços e gritabas "O Porto é meu, abô, o Porto é meu!" e eu dizia-te sai lá daí, mas num queria nada, num queria nada que saísses, faz assim agora meu filho, lebanta os braços encostado a uma parede da praça e diz outra bez "O Porto é meu, abô, o Porto é meu, abô!", num há feira, mas há escritores, num há feira, mas há escritores. E digam lá se pode ou não comer-se o Porto! Num pode! Bibó Porto! "
PG-M 2013
foto de Lourdes Costa

5 comentários:

Virginia disse...

Até eu que não sou portuense me comovi com este texto, Pedro.

Foi feito dontem para hoje? Ou já estava preparado para o Sõmjõoooon?

Está um dia lindo, bem merecemos. E vai estar Lua Cheia!!

Abraço

Guida Pinto Ricardo disse...

Improviso ou não ... texto maravilhoso.
E viva o Porto e os escritores portugueses carago!

Pedro Guilherme-Moreira disse...

Obigado, Guida! Biba!

Anónimo disse...

Boa tarde Pedro , eu sou uma das alunas que assistiu à apresentação do seu livro na EB 2/3 Valadares , da turma do Rúben (aquele que foi ler excertos do seu livro sentado ao seu lado, aquele que achou erros nesses excertos) . Gostei imenso deste 'improbiso' , quero lhe dar os meus parabéns e espero que continue sempre assim .

Beatriz Gesta

Pedro Guilherme-Moreira disse...

obrigado, Beatriz. Foi uma surpresa boa, e a vossa turma tem-se revelado um grupo de meninos cheios de coragem e interesse. Grato. volto às esplanadas da praça da liberdade no próximo Sábado, 29, entre as 17:15h e 17:30h, para ler uma "bersonhe" dois do improbiso. Apareçam!