2013-01-15

Glosa de Lhasa e a vida e a morte e a vida



(Nota prévia: sobre as palavras de Lhasa de Sela em "I'm going in" (abaixo video com a música), que tão bem servem de despedida, agora que faz três anos que nasceu a lenda de que, à morte de Lhasa,  a 1 de Janeiro de 2010, Montreal lhe deu neve por tantos dias que nunca parará)

Estava-me a vida a acabar
e a morte p'ra começar
e eu disse-te que nunca
nunca te deixaria
(mas sabia
que este dia
chegaria)

Dá-me sangue nas minhas bodas
de sangue, estou pronta
para nascer
e aqui cheguei de novo
como se fosse
este o primeiro corpo

Careço de palha para fogo
de palha,
careço da terra mais dura 
no arado
estou pronta

E vou entrar,
Eu vou entrar,
É assim que isto começa
vejo até lá e a distância
que depois nós percorremos
quando esquecemos quem somos

E vou entrar,
Eu vou entrar,
Não suporto mais a dor
nem esta ardência cegante

em que te vou esquecer
sem reencontro

Farás os preparativos
da liberdade da alma
não há tempo para encontros
que eu estarei tão ocupada
a voar o meu momento

Tu vais querer falar comigo
mas nunca entenderei

não há tempo para encontros
que eu estarei tão ocupada

a cair no esquecimento

e a tua mão a tentar
tocar-me
e a tua voz a tentar
falar-me


Não me tentes no sublime

estou muitíssimo ocupada
se cheguei aqui tão longe
não foi para te encontrar


e vou entrar,
eu vou entrar,
e nunca estive tão feia
e nunca estive tão lenta
os muros fecham o cerco

quanto mais longe vou
mais sitiada estou

e vou entrar,
eu vou entrar,
gosto de ti bem longe
porque eu já sou quase nada
ainda que cega
e perdida

tenha inventado o amor

e vou entrar
e vou entrar
e vou entrar

Lhasa de Sela, traduzida por PG-M 2013


fonte da foto
PS: recomendo vivamente que procurem e ouçam a entrevista que lhe fez Carlos Vaz Marques para o Pessoa e Transmissível, na TSF

Sem comentários: