2012-08-07

O pequeno poema sobre o arrebatamento (não disponível para desencanto 2.0)



não sinto nada

diz a veia ao olhar
rubicundo
enquanto ferve

reformula:

não sinto nada porquanto
me sinto em tudo
portanto, se sinto tudo
(disforma)

não sinto nada
e fica tudo
por dizer
e a folha em branco
é o esplendor

do arrebatamento
(e então começo)

PG-M 2012
fonte da foto

Sem comentários: