2012-02-22

Dulce y tomillo

Em 2003, a poetisa Dulce Chacón regressa a casa no princípio de dezembro. Vinha do hospital, onde em vão tentara curar um cancro. Nessa noite, vagueia pela casa, sente as suas coisas e detém-se na cozinha, onde escreve uma sms que envia aos próximos. Pilar del Río era uma das amigas e nunca se esqueceu destas palavras:
"La cocina huele a tomillo, algo pasa en esta cocina,
  quizá sea la vida"
Dulce morre no dia seguinte.
Este episódio é relatado pela própria Pilar no livro "José e Pilar", de Miguel Gonçalves Mendes, Quetzal, recentemente editado mas já em falta em muitas livrarias.

PG-M 2012
fonte da foto

1 comentário:

elbett disse...

Cheirar o tomilho antes partir foi um prenuncio de paz. Devia ser uma boa alma.
Elsa