2011-09-21

Mulheres de fato-de-treino de duas peças combinadas: uma emergência social

Há um infantário aqui na terra em que a farda das educadoras é um fato-de-treino de duas peças combinadas com o logótipo da instituição, e que elas vestem todo o ano durante o horário de expediente. Há duas multinacionais aqui na terra em que as pessoas trabalham por turnos vinte e quatro horas por dia e nenhuma delas veste fato-de-treino. Ao longo dos anos sempre pensei o que seria daquelas crianças, tendo por referência mulheres de fato-de-treino de duas peças combinadas.
A coisa piorou. O infantário passou a admitir alunos para o ensino primário, e todos sabemos que no fim da quarta classe os meninos já olham para o lado feminino com uma certa conotação sexual. Passei a temer por aquelas crianças, com a certeza de que não demoraria muito tempo até que as suas fantasias sexuais incluíssem uma mulher de fato-de-treino de duas peças combinadas. O lado bom dessa tragédia é que sonhariam, certamente, estar a tirar o fato-de-treino de duas peças combinadas, de uma só vez e à bruta, às senhoras. O lado mau é começarem a ir para a escola secundária também de fato-de-treino. Tenho um irmão que andou nesse infantário e é hoje um inadaptado que leva para o emprego, diariamente, um fato-de-treino Domyos, que, apesar de ser uma marca de grande qualidade e prestígio social, contribui para lhe toldar o entendimento. É ostracizado desde tenra idade, ao ponto de também nós, na família, nos termos visto obrigados a usar fatos-de-treino quando o acompanhávamos à escola, à discoteca ou ao café, para propiciar a inclusão. O meu irmão começou a ter apoio da segurança social. O problema é que muitas das assistentes sociais que tratam destes casos de emergência social também usam fato-de-treino de duas peças combinadas.
É verdade que ao fim-de-semana as educadoras do infantário cá da terra largam o fato-de-treino de duas peças combinadas e tornam o chinês que é dono da loja chinesa orgulhoso. Mas um vôo picado de qualquer aeronave pessoal poderia detectar as centenas de fatos-de-treino a poluir os estendais da vila, em vez de roupa branca, precisamente na altura em que todos os fatos-de-treino saem à rua para as passeatas saudáveis de fim-de-semana.
Tenho um primo que me disse que já viu, como seus próprios olhos, os que a terra há-de comer, casais e grupos de casais a fazer jogging com fatos-de-treino rigorosamente iguais uns aos outros, e que a sua namorada, uma figura pública locutora de televisão, teve uma quebra de tensão naquele preciso momento, batendo com a cabeça no lancil. Foi apenas um susto, mas, uma vez mais, é incrível que nenhuma autoridade pública esteja sensibilizada para o carácter alargado desta emergência social e para a alta perigosidade dos indivíduos que estão sujeitos a nela cair.
Espero que o governo gaste alguns milhões numa campanha que recupere os fatos-de-ballet com que todas as mulheres faziam exercício físico nos anos oitenta, mesmo que não bailassem.
Ou então que obrigue os fabricante de fatos-de-treino de duas peças combinadas a debruar frases iguais às que mandaram imprimir nos maços de tabaco: "usar fato-de-treino de duas peças combinadas pode matar alguém".
A esperança maior ainda é o Acordo Ortográfico, que vai separar o fato do treino e torná-lo ininteligível como entidade autónoma. Valham-nos os linguistas.

PG-M 2011

2 comentários:

ana b. disse...

Caro Pedro Guilherme-Moreira:

Olhe que os homens também não ficam muito melhor:)
A não ser que seja o Daniel Day Lewis ou o Brian Ferry. A estes, qualquer trapinho lhes fica bem:)
Já agora aproveito para o felicitar pelo seu excelente romance. Li-o nas férias e adorei. Sobretudo porque aborda a vulnerabilidade e a precaridade da vida. E a poder do acaso, tema que me deixa sempre inquieta. No que isso tem de bom e de mau.

Pedro Guilherme-Moreira disse...

Obrigado, Ana:).
Quando à crónica, os homens também estão contemplados, se reparar. As mulheres ficaram no título pelas personagens com que o texto arranca. E olhe que os fatos-de-treinos e as pessoas que têm o azar de os usar são os desgraçados aqui, porque a crónica é, de facto, sobre a histeria nacional:):