2011-02-17

Ainda ele, no "princípio" de tudo

Man Ray estava em Paris em Novembro de 1822, quando Proust morreu.
Jean Cocteau pediu-lhe para fotografar o escritor no seu leito de morte. Era um hábito muito comum ao tempo, isto e a execução do máscara da morte num molde, que é pena ter-se perdido.
Olhar Proust aqui não tem nada de mórbido. Situa-nos e dá-nos ainda mais humildade.

1 comentário:

Beatrix Kiddo disse...

morreu com cara de madalena