2011-01-01

Em Janeiro

Em Janeiro,
amo-te quando começam
a madrugada e o vento
e todas as outras coisas
e tudo o que é bom ou mau
como acontece no amor
que tem janeiros no fim
de cada abalo do tempo
e em cada abraço dos corpos
e em cada passo do mundo


Em Janeiro, amo-te pelo que foi
e por tudo o que há-de vir


fonte da foto

2 comentários:

Edgar Semedo disse...

Fiquei agora perdido no tempo, entre janeiros talvez. Achei tão bonito o texto. Sempre tive essa tristeza de não conseguir escrever um poema, um poema assim como este.

Tudo de bom,

Edgar Semedo

Pedro Guilherme-Moreira disse...

Meu caro Edgar (nome do meu irmão caçula), adivinho que sejas um pedaço mais jovem, talvez nos vintes, e se esse é o caso, serena:). Visitei o teu blogue e não há razão para aflições. Excelentes textos - está lá tudo para poemas melhores do que este. Um dia ouves a música, o ritmo, e desmembras tudo num poema. Até lá, não vás a oficinas de escrita criativa. Lê. Lê os melhores. Abraço e obrigado, Pedro G-M