2010-10-24

Os sinos choram sem lágrimas


Quase todas as minhas personagens choram sem lágrimas. Os sinos das igrejas choram sem lágrimas. Os da capela da senhora do amparo têm hoje um gemido comprido. As lágrimas têm-nas as pessoas e as casas e trocam-nas por abraços. Não são  personagens. Não são  livros. O Ilídio ligou à Laura às quatro da manhã, disse que se sentia bem e desligou. Depois fechou os olhos e morreu.

Fonte da foto

PS: A vida, cinco dias antes, aqui

2 comentários:

Kássia Kiss disse...

Impressionante!

Pedro Guilherme-Moreira disse...

Obrigado pela presença, Kássia. E pelas palavras todas:):