2010-06-07

Sou um canalha

Estou cansado de fazer guerra santa pelos princípios, de combater a indiferença, de levar na cara dos filhos da puta que mordem e chateiam.

A armadura pesa, o Rocinante precisa de descanso, os olhos do Sancho andam marejados de desencanto, não há vento nos moinhos, afinal já escrevi livros e tive filhos, vou disfarçar-me de humilde plantador de árvores e descansar, porque já não consigo ser melhor do que os melhores,

e ser só isto pesa-me. Como armadura.

Sou um canalha para me distinguir dos que são mesmo bons, porque não amargam, porque estão sempre prontos a ajudar e a acolher a indelicadeza e a falta de reconhecimento com um sorriso de compreensão.

E começo a ter uma vontade enorme de ser egoísta.

De me preocupar comigo.

De dar comida ao ego que pensam que tenho e não tenho, porque se pareço almoçar presunção é porque ela me serve ao músculo que desenvolvi para proteger os fracos.

E fraco não sou.

Eles precisam, eu sei, hei-de voltar em silêncio.

Mas já me apresentei a mais de quinhentas pessoas na vida.

Agora quero calar-me um bocadinho e dormir a sesta à sombra da árvore

que vou plantar.

Estou cansado, a armadura pesa, o Rocinante precisa de descanso, os olhos do Sancho andam marejados de desencanto, não há vento nos moinhos, afinal já escrevi livros e tive filhos, vou disfarçar-me de humilde plantador de árvores e descansar, porque já não consigo ser melhor do que os melhores.

Sou um canalha.

I'm a Creep

(...) You're just like an angel
Your skin makes me cry
You float like a feather
In a beautiful world
I wish I was special
So very special
But I'm a creep (...)

I don't care if it hurts,
I wanna have control,
I wanna a perfect body,
I wanna a perfect soul (...)

--
PG-M - Pedro Guilherme-Moreira

2 comentários:

Anónimo disse...

Somos. O mundo deve estar certo, mas é preferível deixá-lo fora disto. Um abraço apertado. Nina.

Pedro Guilherme-Moreira disse...

Somos:). Sim, deixemo-lo fora disso. Outro. Pedro