2009-12-06

Mister 3D Zemeckis

Não sei ainda o que nos vai trazer "Avatar", do James "King of the World" Cameron, a estrear no próximo dia 17 de Dezembro deste ano da graça de 2009, e que dizem atirar a nova geração 3D para uma outra dimensão. Veremos se são promessas vãs. A verdade é que eu e o meu filho (sim, eu e o meu filho de dez anos; sim, estou a viciá-lo em cinema desde os 3 anos, algum problema? Sim, cinema mesmo; Sim, o rapaz dá-me uma abada na saga Star Wars, e depois?), presentes no pré-visionamento do Avatar, e tirando um ou outro problema de fluidez de imagem (característico de todo o novo digital, televisões incluídas) ficámos impressionados. Resta saber se os quinze minutos de trailer eram só para inglês ver.

Pois não sei o que nos trará o futuro, mas sei o que nos traz o senhor que a ele regressou: Robert Zemeckis.
Quem viu Beowolf caiu na asneira de dizer aos amigos que o novo 3D era aquilo, emocionante, experiência ímpar, mas a verdade é que nenhum outro filme desde Beowolf se tinha sequer aproximado da excelência de Zemeckis, que domina, mais do que a animação, o 3D. É produtivo, esplendoroso, sem ser exagerado.

Ora, "UM CONTO DE NATAL"(clicar para ver o trailer) eleva a fasquia, e muito.
Quem pensa que é filme para crianças, está bem enganado, e pode deixar em casa os miúdos mais impressionáveis. Aquilo assusta a sério, cola-nos à cadeira, mas o que faz mesmo é encantar, encantar profundamente.

Não percam a entrada do filme, o voo sobre a cidade. Brutal.
Este é daqueles em que não vale entrar quinze minutos atrasado. Não compensa o desperdício.

Para já, Zemeckis, os seus animadores e sonoplastas, são os únicos a saber verdadeiramente o que fazem. Uma experiência de muitas estrelas, certamente mais do que cinco, e, vão por mim, se algum crítico lhe dá menos, pura e simplesmente ignorem-no.

Encontrei há pouco um amigo a sair do cinema, e por ele me lembrei que tinha de escrever isto.
Ele, que é muito contido e expressa as emoções com dificuldade, vinha pálido.
Agarrou-me os colarinhos e ordenou: "Tens de ir ver este filme."

Já tinha visto, mas sei bem o que ele estava a sentir.

Imperdível mesmo (e, por favor, meninos e meninas crescidos que dizem não gostar muito de animação, por uma vez, ponham esse preconceito de lado e depois contem-me se este filme não vale, em termos de espectáculo, emoção e argumento, mil 2012's!) !

Pedro Guilherme-Moreira

PS: Ah! Grande, grande, grande trabalho do Jim Carey em várias personagens, emboram me tenham dito que a versão dobrada em português está muito boa (temos excelentes equipas a trabalhar em dobragem);

Sem comentários: