2009-10-20

Chuva - the beauty of it

O sol dilata os corpos.

O sol dilata as almas.

Debaixo do sol, não temos a verdadeira noção do elemento natural que somos, a nossa consciência admite todas as possibilidades, somos subitamente omnipotentes, a vida é bela já aí à frente.

Por isso, a queda é maior.

A chuva resguarda-nos em nós.

E se, por causa de um improvável movimento de sentido contrário à multidão que se encolhe em gabardinas e se encosta às paredes, enfrentas a chuva como enfrentas o sol, e sais cá para fora tentando abarcar o horizonte como se fosse um dia limpo, azul, ganharás noção da grandiosidade do que te rodeia e de como és pequena, mas também de como podes crescer, porque não cresceste tudo ainda, não estás inchada nem tens excesso de luz.

A Chuva acompanha-te a felicidade com assombroso realismo, e não te engana na solidão.

A água, dona da (trans)lucidez, 

sempre esteve mais perto da claridade.


Sem comentários: