2004-08-02

AFONSO por carreiros e ladeiras

(Pelo nascimento do filho de um amigo, muito esperado, e anunciado com grande pompa à comunidade Forlegis)

AFONSO por carreiros e ladeiras

No espaço vago da amizade
Que levamos em circuitos
E nos sulcos dos ecrãs

Houve uma espécie de amigo
que são muitos e nenhum
que adivinhou em silêncio
uma curva na barriga

como se fosse
um carreiro interminável
para esta carta
sem papel

Sem papel
revelámos-te a emoção
que em cada espaço cresceu

e, nesta sala comum,
demarcada em cada olhar,
foi detonada a brilhar

mesmo nas lágrimas tácitas,
pai Nuno
mãe Coragem

Afonso em ti, apesar
da beleza te deixar
uma forma mais divina,

vai descendo esta ladeira
vem a nós a vida inteira

ser amado
e lambuzado:)

foi o teu herói que quis
ao esquecer-te no colo

da essência do Forlegis.

Pedro Guilherme-Moreira

(...com a licença de todos os forlegistas,
no primeiro poema comunitário...)

2 de Agosto de 2004

Sem comentários: