2003-06-25

NASCEU UM BLOG NA NOITE DE S.JOÃO DE 2003

E que noite, senhores!
Também não foi por acaso que o blog "Ignorância" nasceu nesta noite.
Esta é a noite onde as máscaras vão caindo ao chão. Temos até ao nascer do sol, numa praia qualquer, deitados de bruços na areia. Aqui não aparecem as verdadeiras elites, aquelas que acham que não se podem misturar em determinados ambientes. Aqui, a comunhão é total, entre todas as idades, credos e profissões. Senhor ou senhora que olhe de lado o autor de uma martelada, vai enlouquecer durante a noite. Provavelmente, enlouquecerá no sentido certo.
Não é a festa (ou festas) do S.joão do Porto que o distingue de outros momentos do género.
É outra coisa, algo inefável, não dito.
O S.joão do Porto é uma experiência única na vida e no mundo. Há quem considere que não pode morrer sem ir a Paris ou a Roma. Aqui, eu diria Veneza, a Veneza do terceiro olhar. Mas, neste caso, assevero-vos que a experiência do S.joão do Porto, mesmo para quem a experimenta todos os anos, é imperdível. Sem ela, a nossa alma é mais pobre. Não deve adiar a sua presença por mais um ano - vá por mim.

É inefável, mas posso tentar: começa tudo na primeira martelada, em que se troca um sorriso com o agressor, ficando sempre a rolar na nossa cabecinha a pergunta: "Porquê eu?" É uma pergunta que poucos admitem fazer a si próprios, mas que assoma, de forma funda ou a espaços, por toda a madrugada.
É o polícia. O velhinho. O careca. A vareira. O doutor. O Presidente. A menina. A mulher. O Pai. O filho. A boazona. As feias, se as houver. O bebé. O portista. O camone. O bigodes. O gigante. O gordo.
Cada um , toca-nos e é tocado por nós. Literalmente. E também de forma figurada.

Não sei se era suportável viver assim todos os dias.
A dar marteladas, e a levar com elas.
Está ali uma mulher linda, deixa-me pegar no martelo, pega lá. E o sorriso? Oh, sorriso. Agora ela. E sigo em frente. Reacção química.
Alguns dirão que, afinal, é mesmo assim que se vive, todos os dias: a dar marteladas e a levar com elas.

Só que se enganam no termo, que leva outro significado no S.joão:
A martelada é um afago, uma carícia, uma ternura.
Dá-se à mulher bonita, ao bebé, ao velhinho.
Dá-se para adoçar uma cara de pau com um sorriso.

E eu pergunto: há alguma coisa de insuportável na mais nobre atitude?

PEDRO GUILHERME-MOREIRA, 2003-06-24

Sem comentários: